Translate

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Toda essa simpatia me é desconhecida,essa cordialidade,esses sorrisos imensos.O bem-estar no qual fico imersa quando saio,entro em contato com outras pessoas é enorme,intenso.
Há muito tempo não me sentia tão...bem?!Não sei se seria essa a palavra,mas acho que nem estou tão interessada nisso.O que eu quero?Não sei. Tudo aparentemente está tão bem.Minhas férias têm sido boas,muito boas.Tenho sentido algo próximo da felicidade,acho que deve ser satisfação.


-------------------------------------------------------------------------------------
Obs: Perdoem a confusão e a falta de sentido do texto,deve ser reflexo da minha pseudo confusão mental.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Fotografia.

A sensibilidade da fotografia,o rapto da agonia,alegria ou harmonia presente nos olhos daqueles que tiveram seus momentos gravados,enclausurados,transformados em imagens.
Imagens de um pedaço da vida,que para alguns não passa de fotografia.Um hobbie incrível e belo,algumas de ar austero outras,às paredes vão embelezar.

Ontem.

Ontem foi um dia legal.Não só porque saí com pessoas legais e diferentes ou porque vi coisas novas e conheci lugaras,mas porque me inspirou de muitas formas.
Os vitrais,as fotos,as exposições... tudo foi incrível e mesmo cansada,ainda sem dormir, colhendo os frutos do cansaço, não pude me refrear e adiar o momento em que escreveria aqui.
Mais e mais encontros viram,e eu sei que vou ficar cada vez mais encantada com o Grupo Cultural Lápis Autônomos

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Pré-adolescente mode on.

Eu não sei porque eu vou postar esse texto aqui já que eu evito divulgar os escritos recentes que me fazem sentir como uma maldita pré-adolescente.Mas já que eu poderia escrever uma enciclopédia com as coisas que eu não sei,aqui está:



Eu nunca tinha encontrado alguém tão suicida, alguém que tivesse a capacidade de despertar minhas profundas tendências homicidas. Ah, cuidar da própria vida deveria ser mais interessante que encher o ar com essas estúpidas risadas maçantes.
Uma cobra mal disfarçada preparando o bote e ninguém percebe. Está tudo tão claro.Vadia. Isso não vai dar nem um pouco certo, acredite. Eu vou te impedir,vou te destruir. Quando eu provar que não sou tão boba, quando eu brincar com a insanidade e abraçar a loucura,você me dará crédito. Você não me conhece e teu instinto te adverte.Não brinque comigo.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

La Mort.

Dentre as poucas coisas que eu de fato acredito nesta vida(ou sobre a vida) está a reencarnação,ou a possibilidade de se estar com quem fez parte da vida.Eu não consigo encarar a morte como um adeus definitivo,mas como um "até logo" não tão breve.E isso causa a alguns estranheza.
Eu acabo de perder uma pessoa muito querida,alguém que teve uma vida longa e quase plena. Eu gostava muito da minha tia bisavó,pelo menos mais do que alguns acham. Ela era uma pessoa doce, delicada e muito frágil.Eu amava seu jeito meigo apesar de conhecê-la pouco.Afinal, o que são 16 anos dentro de 95?
As últimas semanas foram de agonia,não dela,mas nossa.Nós sabíamos que ela iria, só não sabíamos quando.Ela manteve a lucidez durante todo o tempo, com calma,alegria e paciência- sim, ela sabia tanto quanto nós. No fim, a rotina sufocante minou e tornou escassa a nossa convivência. E eu não tive tempo para me despedir.
Mas um dia,ah, um dia, vou poder abraçar a minha tia e àqueles que me fazem sentir saudade.


Pelo menos é nisso que eu quero acreditar.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Yesterday, when I was young.


O tempo estava incomumente bom para meados do inverno.Foi tão legal sentir o sol esquentando meu rosto enquanto o vento desarrumava os meus cabelos embolados.
Há tempos eu não deitava na grama.E eu ainda sinto aquela felicidade simples por ter conseguido aproveitar aquele momento de silêncio quase absoluto, com o sino dos ventos ao fundo.Esse momentos são tão raros quanto calor no inverno. Eu gosto muito de sol e calor,amo estar na praia com o sol esturricante.Mas não posso dizer que não gosto do inverno,tremer de frio é legal.Ouvir pessoas dizendo o quanto minhas mãos ficam geladas também.O inverno tem sua graça, principalmente porque me faz enxergar a magia dos dias ensolarados, tornando-os os meus preferidos.





Feeling Good

Birds flying high you know how I feel
Sun in the sky you know how I feel
Reeds drifting on by you know how I feel
Its a new dawn it's a new day its a new life for me
And I'm feeling good

Fish in the sea you know how I feel
River running free you know how I feel
Blossom in the trees you know how I feel
It's a new dawn its a new day it's a new life for me
And I'm feeling good

Dragon flies all out in the sun
You know what I mean, don't you know
Butterflies are all having fun
You know what I mean
Sleep in peace
When the day is done
And this old world is new world and a bold world for me

Stars when you shine you know how I feel
Scent of the pine you know how I feel
Yeah freedom is my life
And you know how I feel
Its a new dawn its a new day its a new life for me
And I'm feeling good

Ooooh
(Feeling good)

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Dia dos amigos.

É incrível,pela primeira vez desde a minha pré-adolescência eu não preparei nada,não escrevi nada para o dia dos amigos.Talvez me faltem palavras.Ora, o tempo não me tornou mais hábil ou criou palavras plenas o suficiente para que eu pudesse descrever os meus amigos.
Eu,tão desapegada,não sou nada, não seria nada, se não tivesse meus amigos. E aí, eu poderia fazer todas as comparações clichês,poderia dizer que sem eles não vivo. Mas isso não é verdade. Eu posso viver sem eles,mas seria uma vida cinza,sem graça,sem o glamour que o blasé teria. Seria o inverno sem esportes radicais,seria um deserto sem oásis.
Eles não apenas dão o tom, a graça da minha vida.Eles são a motivação para continuar,para encarar uma situação ruim e perceber que dali a 2,3 anos vamos rir horrores daquilo.Posso me lembrar deles com personagens de livros, olhando o meu pulso ou quando faço torta de limão. Ou ainda quando assisto ao DVD da minha banda favorita. E sempre há a música. E o que seria da minha vida sem a música?Ela é a minha conexão com muitos dos meus amigos.Mais: ela serviu de contato para alguém que hoje eu acho que se inclui nessa categoria, de meu amigo. Que importa se nós nos falamos mais pelo msn que pessoalmente? E há ainda a surpresa mais maravilhosa que o acaso já preparou, uma sexta-feira que tinha tudo para ser incrível,mas que ganhouum brilho especial graças à elas.
Até o hamburguer salgado do fast food capitalista tem graça quando você está com uma amiga. E há os eternos amigos de infância, tanto os diariamente próximos quanto aqueles que a globalização deixa mais próximos.Tem também a minha sumida preferida, a gargalhada que me diverte, a amizade que está indo completar a primeira (de muitas) décadas. Ah, e como esquecer da musicista excepcional ou da menina sensível e visionária que escreve incrivelmente bem?
Tem um que usa de apelidos tão complicados que eu não sei digitar, para que complicar um nome tão bonito? Adoro colocar as pessoas em xeque. E além de tudo isso eu preciso confessar, a galera de biomédica é Demais( estão vendo, esse "D" é uma piada interna, e só vai ter graça se alguém específico entender). E é claro, tem meu irmão mais novo mais velho que eu...
E ainda há a galera distante,e alguns até se enquadram nessa categoria mas eu me refiro há duas pessoas bem específicas.E claro, tem aquelas que eu deixo para o final porque não sei como começar.Meigas em sentidos totalmente diferentes.Em controlo para não ficar horas com uma delas ao telefone. Ah, se saudade matasse...


"You're so fucking special"

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Medo da gripe.

Uma escola em minha cidade antecipou as férias por causa de um caso de gripe suína.Agora, acabo de ler no site da prefeitura que as férias da rede municipal também foram antecipadas e o projeto realizado por eles durante as férias suspenso.
Essa coisa toda de gripe tem me preocupado.Pelo menos 80% das pessoas que eu conheço está gripada ou saindo de uma gripe(inclusive eu);e aí eu me pergunto se isso é apenas uma gripe comum.Ter que confiar em um médico é muito complicado.Ao que parece,a epidemia de gripe está muito mais complicada do que está sendo veiculado.Não acredito que o controle esteja sendo tão eficiente quanto parece. Com um pouco de sorte(e muita competência) seremos os primeiros a isolar o vírus.Mas isso continua me preocupando como cidadã.
Se isso chegar mais próximo do que foi a gripe espanhola, como vão ficar os verdadeiramente pobres? Como ficaram durante a epidemia de varíola na administração de Pereira Passos,sem informação nenhuma e sem direito de escolha entre vacinar-se e não.Há lugares aqui no estado do Rio que são,no mínimo,deploráveis.E se por acaso o meu calendário escolar sofrer mudanças por causa dessa gripe A? O vestibular não está distante...
Tenho medo de ficar doente. Ok,não tenho. Tenho medo de lutar,me esforçar em vão.Medo de acabar morrendo de gripe depois de ter lutado o que estou lutando para ser aluna de uma instituição federal no ano que vem. Porque se o pior acontecer,não vai haver um médico piedoso a me dar a imortalidade.

domingo, 5 de julho de 2009

No caminho


Eu estava em um dos lugares mais belos e "perigosos" da minha cidade.A noite fria e estrelada era acariciada pela brisa do mar.Sabe aquele caminho todo branco onde ficam os apaixonados?Foi ali.Alguém especial estava comigo, alguém que há muito eu luto para não amar como Psique amou Eros.
As minhas mãos gélidas sentiam os músculos dele se contraírem sob a frieza do toque,nada interrompia nossas gargalhadas, assim como nada aconteceu.Até a chegada daquela figura encardida.Era mais um dos "hippies" que perambulam pelo centro da minha querida cidade natal.Ele tinha nas mãos alguns fios de cobre e um alicate.
-Posso fazer uma arte?
-Pode.
Habilmente ele começou a retorcer os fios,com a ajuda do alicate, em fração de segundos, o fio de cobre era um anel que trazia uma estrela.Ok, confesso que agora,enquanto escrevo,também vejo um botão de rosa no centro da estrela que está em meu anelar.
Mas nada disso importa.O que me deixa feliz foi ter ouvido oque o ilustre desconhecido me disse ao entregar o anel.A beleza e simplicidade de suas palavras, a sensibilidade com que ele parece enxergar o mundo. Um artista marginalizado em todos os sentidos.
Não vou citar um filósofo ou escritor que goste.Não vou contar como o "alguém especial" me desapontou. Mas vou evocar as palavras de alguém que não mais verei.
" Que a sua estrela brilhe sempre! Trazendo felicidade a você e sua família." Queria eu saber como fazer essa citação com a mesma intensidade com a qual ela foi proferida.

P.S.: Isso aconteceu dia 29 de junho. No Caminho Niemyer, Niterói,Rj.