Translate

sábado, 24 de julho de 2010

Luísa.

 Sossegue o coração dele,Luísa.
 Ele diz que se ajoelharia a seus pés
 Se necessário fosse,se assim você quisesse.

 Sossegue o coração dele,Luísa.
 Ele implora tão bonito com
 Esse sotaque que eu não sei
 Se é hispânico ou italiano.

 Ele diz que fala de amor,que fala de vocês dois,
 Ele diz que só vê você ao lado dele.
 O perdoe,Luísa,escute o que ele diz.

 Se você,no entanto,resolver não escutar
 Ao que ele implora com ardor
 Devolva o que lhe roubou.
 Ele quer a luz de volta,Luísa.



Essa poesia deveria ser uma bela crônica. Mas as palavras se perderam no caminho e,quando fui escrever,elas tornaram-se versos. A ideia me surgiu quando,no ônibus,escutei um senhor(Ah,os cabelos brancos.) ,ao celular, implorarando a volta de sua mulher,num sotaque que eu ainda não entendi se era hispânico ou italiano.Eu sei que ele,no fim de cada frase ele dizia "Luísa".

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia dos amigos.

 Todo ano,desde que descobri a existência dessa data,preparo algo para o dia dos amigos. Minhas homenagens,claro,sempre são singelas se comparadas a importância que os meus amigos têm para mim.Afinal,que outros seres seriam capazes de desculpar alguém que se atrasa uma hora e meia para a comemoração do próprio aniversário?Com quem mais eu dividiria filmes ruins,pontos de ônibus e escadas rolantes? Quem mais faria velhos hábitos não mudarem nunca?
 Começo a pensar que talvez a amizade seja o talento de tornar pequenas ações memoráveis e de importância imensa,como se a vida fosse ser sempre uma cerveja tomada em uma praça em uma noite de outono ao som de blues. Acho que a questão não é reconhecer somente aqueles que estiveram presentes em momentos difíceis,mas aqueles que se colocam disponíveis de modo claro e objetivo. A sensação de poder contar com alguém independente de precisar é que traz o título de amigo.
 Enquanto penso no que escrever,lembro dos queridos companheiros literários.De todos eles,não apenas daqueles que estão no mesmo estojo que eu. A leitura,os comentários acabam forjando uma relação profunda e pouco perceptível porque,mesmo sem saber,por vezes lemos os anseios mais íntimos uns dos outros. E,só para constar,quem nos conhece com tal profundidade,só pode ser um amigo. Ainda que para isso a amizade precise acontecer em níveis diferentes.
 Acho que o acaso se encarrega de coisas como tornar um engarrafamento agradável com a presença de um amigo (leitores, a hora do rush na ponte rio- niterói é um inferno.) Até meu comentário em itálico me lembrou um amigo,acho que ele ainda está procurando por hell. Ah,como foram doces os sonhos da pré adolescência e as fotos divididas nos inúmeros fotologs da vida. A tecnologia é uma aliada da amizade,acho.Como se fariam contatos diários com quase todos aqueles que estão nesse texto sem twitter ou messenger?
 Uma fila enorme para a estreia de um filme que tem por trilha sonora garotinhas aos berros só foi suportável por que ali existia uma amiga.Há quem o a distância usa de artifícios para manter ausente,mas isso,não importa,porque,como é mesmo? Ah,sim,somos escorpianas,baby!
 E ano que vem eu falarei da primeira década que foi completada e mais uma vez vou lembrar daquela que está sempre presente na minha playlist e toda vez que vejo um livro de história. E eu vou lembrar também do meu personal philosopher (haha) e da cara de criança feliz no fastfood há tempos atrás,do suco com um ingrediente suspeitosamente nojento,do livro que foi publicado,da amiga com jeito doce, da personal photographer (ahazaremos em sp!) e dos muitos sapatos experimentados em loja.
 Há os amigos que não foram feitos,mas reconhecidos. Há aqueles que fizeram do ensino médio uma casa com muitos irmãos.Há aquela que vai ser über e há quem transformou o meu dia com 120% de caracteres doces e há também quem vai sempre ser a minha sumida favorita.
 E,claro, há quem nunca vai te deixar esquecer que a lição biológica mais importante do ensino médio foi a de que "os bicho não se abre".


"Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências.. A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro,embora não declare e não os procure. ”


       Guys,you're so fucking special.