Translate

terça-feira, 15 de março de 2011

Os sonhos da padaria

 Eu gosto de quando chego à padaria e o balcão está cheio daqueles sonhos frescos,ainda mornos. Gosto da facilidade de se alcançar sonhos dentro de uma padaria,acho que eu ia gostar se padarias fossem universos alternativos.Mas esse trocadilho tão óbvio ainda não é a questão.
Acabo de chegar da padaria. E sim,estou digitando com os dedos ainda melados de creme,açúcar e canela. Se o leitor está achando que caminhei nessa chuvinha fina e irritante apenas para comprar um sonho da fornada diária,está enganado. Eu saí do auge do meu conforto para comprar... papel higiênico. Sim,comprei-o na padaria.
Vou explicar: Levo uma vida de universitária semi independente que mora sozinha e,ao contrário do que possam imaginar,cozinho bem mas.... tenho aversão a supermercados.Compro quase tudo que preciso na padaria,incluindo o famigerado papel higiênico. Vamos retornar ao ponto antes que eu me esqueça dos sonhos. Depois de pegar o papel,estava indo em direção ao caixa quando vi dois sonhos solitários na bandeja. Ao redor deles,estavam espalhados pedaços de creme dos outros sonhos,assim como algumas forminhas de papel manchadas de açúcar.
Então pensei: A balconista pegou os sonhos com brutalidade,despedaçou o recheio,deformou os sonhos,os adaptou ao momento que exigia pressa e eficiência. Os que tornaram-se donos dos sonhos,por sua vez,provavelmente não ligaram para o que foi desperdiçado porque o sonho,no geral,apresentava-se inteiro.Foi no meio dessa divagação que eu me perguntei: "E se o que foi desperdiçado era a melhor parte do sonho? E se esses punhados de creme são mais doces e suaves que os que foram mantidos no sonho?".
Fiz questão de que o meu sonho fosse embrulhado com cuidado,e acho que o comi com um cuidado ainda maior. No meio daqueles pensamentos,uma ideia me ocorreu: Se você não sabe aproveitar corretamente os sonhos da padaria,suas vontades na vida serão sempre sonhos mal embrulhados e não degustados. Eles vão estar sempre presos e condicionados ao "E se..." e  nunca serão metas,apenas sonhos desejados por todos e tão genéricos quanto os que se encontram no balcão de qualquer padaria.

3 comentários:

mari disse...

porra, adoro sonho gelado!

Fábio Pedro Racoski disse...

E aquele pedacinho do sonho que desprezamos é, geralmente, o mais doce e saboroso.

Raphaël Andrade disse...

Concordo com o Fábio , é sempre assim!

Agora, aversão a fazer compras no Mercado hahahaha